A Ayahuasca e o DNA Humano

A interação da Ayahuasca no nosso DNA foi objeto de estudos de Francis Crick, vencedor do Prêmio Nobel pelo seu trabalho sobre a molécula do DNA, embora atualmente somente conheçamos 3% do nosso DNA. Em seu estudo Crick fala que não há tempo suficiente na evolução humana para a evolução que nosso DNA desenvolveu.

O ganho de Insight e conexão direta com outro nível de realidade que de fato nos penetra e envolve, que acontece conosco em estados expandidos de consciência induzido pela Ayahuasca ou por outro DMT puro, normalmente não é acessível para nós porque precisamos nos concentrar mas isto é dificultado pelo mundo físico muitas vezes hostil que nos rodeia no qual fomos levados a estar ajustados para sobreviver fisicamente, concentrar uma grande quantidade de energias no mundo físico, ignorando que há realidade não-física, que podemos acessar através de uma porta dentro de nossas mentes projetando nossa consciência e lá nos colocarmos e ter experiências que inclusive podem ser compartilhadas.

O Estudo de Jeremy Nobis no DNA traz a noção de que pode haver esta informação, esta "porta secreta", codificada em nosso DNA, e, nos faz refletir o porquê das pessoas ao redor do mundo, quando entram em estados expandidos de consciência terem notavelmente semelhantes experiências nesta realidade não-física que a ciência ortodoxa e sua teoria convencional não identifica como real.

A melhor explicação é que na verdade são reais, acessadas através de um "arquivo" escondido dentro de cada um de nós, contendo um corpo de informações que podemos acessar apenas em estado expandido de consciência, de modo que o único lugar onde poderia estar armazenado seria o DNA, que é o mecanismo de herança que é passado de geração a geração que explicaria porque as pessoas a 35.000 anos atrás e as pessoas de hoje vêem as mesmas coisas em estados expandidos de consciência: porque eles compartilham as informações que estão escritas em seu DNA de alguma forma.

O cientista então estudou o DNA e aprendeu que, diferentemente do que pensava a ciência moderna em seu projeto Genoma tentando desbloquear o segredo do ser humano, o que está armazenado em nossos genes se refere a apenas cerca de 3% do nosso DNA, de modo que todo o resto do nosso DNA que foi ignorado pelo estudo do Genoma e tratado como "DNA Lixo" como se estivesse em nós acidentalmente em verdade é DNA onde parece haver uma estrutura linguística profunda escondida.

Se você tomar um texto grande, ou, um grande discurso em qualquer idioma, e contar o número de palavras nele, você verá que algumas palavras ocorrem com mais frequência e há um "eu", resultando em uma linha reta que produz um gráfico muito específico, como se fosse uma relação matemática entre a classificação de uma palavra e a sua frequência, isso ocorre em todas as línguas humanas, esta estrutura matemática oculta está sempre presente, e, e é idêntico no DNA humano considerado "DNA Lixo" pela ciência ortodoxa mas não é encontrado nos 3% que eles consideram como DNA.

O cientista observa que esta peculiaridade de haver algum tipo de mensagem em nosso DNA escrita como um arquivo que estamos acessando em estados expandidos de consciência explicaria estas semelhanças extraordinárias em estado expandido de consciência.

Olhando um pouco mais a fundo, se um arquivo de informações tiver sido gravado em nosso DNA que só podemos acessar em estados expandidos de consciência, como chegou lá, e, o que o levou a isso? como explicar, em termos evolutivos, a preservação supostamente aleatória desta informação que a ciência anteriormente pensava ser "não real" ou "inútil"? como a evolução selecionou para que apenas o faça em estados expandidos de consciência?

A Ciência passou a olhar para este mais profundo mistério do DNA quando descobriu que Francis Crick (vencedor do Prêmio Nobel) era Ateu antes de seus estudos e não acreditava existir um mundo espiritual assim mas descobriu a estrutura de dupla hélice do DNA através de uma visão súbita em estado expandido de consciência na década de 50. A visão dominante da ciência hoje é de que não há acasos, de que a forma como o DNA está organizado não foi apenas uma reação crítica de quatro e meio bilhões de anos atrás que se solidificou como um planeta, organizada o suficiente para suportar a vida por 3,9 bilhões de anos atrás.

Independente da origem, é tecnicamente possível gravar informações no DNA que estão sendo retiradas pelos cientistas agora em ordem; para fazer isso parece que a gravação potencial de DNA é ilimitada seria possível gravar todo o conhecimento em DNA.

Não se sabe o que aconteceu, mas, talvez seja isso que é o que está no nosso "DNA lixo" que só pode ser acessado em consciência expandida e que desde a primeira vez os nossos antepassados acessaram esta mesma informação que hoje acessamos em consciência expandida sobre o momento em que nos tornamos humanos no mundo e como nos tornamos os seres que nós somos agora.

256total visits,1visits today